De caminhão, Putin inaugura ponte na Crimeia e Ucrânia protesta

Quinta-feira, 17 Mai, 2018

Ponte de 19 kms visa reduzir o isolamento da península que Moscou anexou em 2014.

A ponte, um projeto colossal e muito simbólico para reduzir o isolamento da península anexada por Moscovo em 2014, foi inaugurada na terça-feira pelo Presidente russo, Vladimir Putin, ao volante de um camião.

Putin dirigiu um enorme caminhão Kamaz, de fabricação russa, pelos 19 quilômetros da ponte sobre o estreito de Kertch, projetada para conectar a Crimeia à rede de transportes da Rússia.

Vladimir Putin comparecerá ao local para inaugurar a parte rodoviária da ponte, de quatro pistas, que no futuro também incluirá uma parte ferroviária de duas vias.

Lançado em fevereiro de 2016, essa obra foi encomendada à empresa do bilionário Arkadi Rotenberg, parceiro de judô do presidente Vladimir Putin.

De acordo com um decreto do governo, a Stroigazmontaj tinha que entregar a ponte até dezembro de 2018, com um cisto máximo de 228,3 bilhões de rublos (2,9 bilhões de euros da época).

Durante uma visita em março, alguns dias antes de sua reeleição à Presidência, Putin exigiu que a ponte fosse entregue em maio "para que as pessoas pudessem aproveitar a temporada de verão" na Crimeia.

Carros e ônibus poderão utilizar a ponte a partir de 16 de maio, segundo o Kremlin. "Torna a Crimeia e a lendária Sebastopol mais fortes e aproxima-nos a todos", referiu ainda o Presidente russo. Ela será aberta para carros nesta quarta-feira, mas os trilhos para a passagem de trens só serão inaugurados em 2019.

O primeiro-ministro ucraniano, Volodymyr Groysman, também condenou a atitude russa.

"A construção da ponte busca uma maior integração forçada da península anexada ilegalmente à Rússia e seu isolamento da Ucrânia, da qual continua fazendo parte", ressaltou o porta-voz, reiterando a posição da União Europeia (UE) de não reconhecer a Crimeia como território russo.

A União Europeia (UE) classificou esta ponte como "uma nova violação da soberania".

A ponte, que passa pela ilha de Tuzla, tem uma altura de 35 metros no nível de seu arco central.

Várias vezes a Ucrânia denunciou a construção dessa ponte como uma ataque à sua integridade territorial.

A Crimeia, uma ex-república autônoma que integrava a Ucrânia, foi anexada pela Rússia durante uma grave crise política no país vizinho, que culminou num conflito no leste entre forças leais ao governo e milícias separatistas apoiadas por Moscou.

A Crimeia também depende da via aérea para se abastecer, o que acaba acarretando uma alta significativa nos produtos básicos.

- Muitos não acreditavam nesse projeto, mas Putin apostou nele - disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov.