'Prévia do PIB' indica que economia recuou 0,13% no 1º trimestre

Quarta-feira, 16 Mai, 2018

O resultado foi impulsionado pela retração de 0,74% somente no mês de março, conforme os dados da autoridade monetária.

Na comparação com fevereiro, atividade econômica registrou recuo de 0,74%. O patamar de 142,26 pontos é o pior para meses de março desde 2016 (141,00 pontos).

Mas o cálculo é um pouco diferente do usado no PIB, o indicador do Banco Central incorpora estimativas para a agropecuária, indústria e o setor de serviços, além dos impostos, desta forma, os resultados do IBC-Br nem sempre mostram proximidade com os dados oficiais divulgados pelo IBGE. Já o Ministério da Fazenda projeta PIB de 3,0% em 2018 e em 2019. O intervalo esperado variava de queda de 0,4% a alta de 1,6%. A 'prévia' da soma de todas as riquezas do País também se mostra um tanto problemática no confronto mensal, uma vez que, o índice de março deste ano registrou retração de 0,74% frente a fevereiro. No Ibre/FGV, a estimativa é de aumento de 0,3%, enquanto o Banco MUFG do Brasil aguarda 0,4%.

O balanço do Banco Central também apurou que, no acumulado de 12 meses encerrado em março, o indicador apresentou variação positiva de 1,05%. No que diz respeito a essa decisão, a pressão das cotações em alta do dólar e os riscos de contágio com o recrudescimento da volatilidade nos mercados cambiais nas economias emergentes formam contraponto num quadro em que justamente a atividade doméstica fraca não sanciona a transmissão direta e integral da subida do dólar para os preços. Foi o primeiro porcentual negativo desde maio do ano passado, segundo o BC. Em um cenário ainda de dificuldades para a recuperação da atividade, o IBC-Br de fevereiro foi revisado de +0,09% para -0,10%. Em relação a setembro, o BC substituiu a taxa de +0,29% pela de +0,26%.