Cineasta Roberto Farias morre no Rio

Terça-feira, 15 Mai, 2018

O corpo do cineasta, produtor e distribuidor Roberto Farias é velado no Memorial do Carmo, no Caju, na manhã desta terça-feira (15). De acordo com informações da direção do Canal Brasil, do qual era sócio-fundador, o cineasta lutava contra um câncer. "Farias dirigiu ainda os sucessos Roberto Carlos e o Diamante Cor de Rosa (1968) e Roberto Carlos a 300 Quilômetros por Hor" (1971), e trabalhou na TV. "Cidade Ameaçada" também marcou a sua primeira parceria com o irmão Reginaldo Faria, com quem formaria mais tarde um dos mais poderosos clãs do cinema nacional, completado por Riva, outro irmão, e pelos filhos Lui Farias, Mauro Farias e Maurício Farias. Desse convívio, nasceu uma amizade e um respeito muito grande entre nós.

Como produtor, esteve associado a vários filmes, como "Lira do Delírio", "O Casamento", "Os Paqueras", "Toda Nudez Será Castigada", "Aventuras com Tio Maneco", "Maneco", "O Super-tio", "Não Quero Falar Sobre Isso Agora". Irmão do ator Reginaldo Faria, Roberto tinha 86 anos, quase todos dedicados à sétima arte, seja como ator, roteirista, diretor e produtor. Entre 1974 e 1978, como presidente da estatal de cinema Embrafilme, levou a autarquia à participação efetiva na lógica da indústria cinematográfica, como distribuidora de filmes. "Foi um dos maiores diretores do nosso cinema e também um grande gestor público, com importante contribuição para a política de desenvolvimento do setor", disse.

Até 1986, o cineasta continuaria a dirigir filmes. Em 1981, dirigiu "Pra frente, Brasil", premiado nos festivais de Berlim, Huelva e Gramado, entre outros. Também trabalhou com os Trapalhões, em "Os trapalhões e o auto da compadecida". Na década de 1960 e começo da década de 1970, ele esteve à frente da Difilm (a principal distribuidora dos filmes do Cinema Novo ) e da Ipanema Filmes (especializada em comédias e filmes policiais). Esta ligação com o mercado continuou presente com a criação da Academia do Cinema Brasileira, à qual foi um dos fundadores e primeiro presidente.