Analistas do INE esperam abrandamento do PIB no primeiro trimestre

Terça-feira, 15 Mai, 2018

O Produto Interno Bruto (PIB) da Alemanha cresceu apenas 0,3% no primeiro trimestre de 2018 na comparação com o quarto trimestre de 2017, taxa mais fraca desde o terceiro trimestre de 2016, de acordo com dados da Agência Federal de Estatísticas.

"A procura externa líquida [o saldo entre exportações e importações] registou um contributo mais negativo, em resultado da desaceleração mais acentuada das exportações de bens e serviços que a registada nas importações". "O contributo positivo da procura interna estabilizou no 1º trimestre, verificando-se uma ligeira desaceleração do consumo privado, enquanto o Investimento apresentou um crescimento ligeiramente mais acentuado", pode ler-se no destaque do INE, onde os técnicos do instituto explicam que essa evolução do investimento se deve essencialmente à variação dos stocks. Já no que diz respeito à França, o abrandamento foi de 0,7% para 0,3% no crescimento em cadeia e de 2,6% para 2,1% no crescimento homólogo. Comissão Europeia e Banco de Portugal apresentam a mesma estimativa, já o FMI está ligeiramente mais otimista, ao prever um crescimento de 2,4%. "O crescimento do primeiro trimestre teve um importante contributo do investimento, mantendo-se assim o padrão de crescimento dos trimestres anteriores", sinaliza. Esperava um crescimento de 0,7% em cadeia, e aponta para 2,3% para o conjunto do ano. Segundo a nota, a travagem no crescimento decorria "da redução significativa do contributo das exportações", que terão sido "negativamente afetadas pelas paragens de produção da Autoeuropa, em março". Por componentes, "admite-se um melhor desempenho do consumo privado, menor crescimento do investimento e alguma incerteza em termos de procura externa líquida", afirmava o ISEG.

Recorde-se que o Governo espera que a economia nacional termine o ano com um crescimento homólogo de 2,3%, a mesma estimativa do Banco de Portugal, o que significa que este resultado não compromete esse objectivo.

Por sua vez, o Núcleo de Estudos de Conjuntura da Economia Portuguesa (NECEP) da Universidade Católica estima que, no primeiro trimestre de 2018, o PIB tenha registado um crescimento de 0,5% face ao trimestre anterior e uma variação homóloga de 2,1%. O Programa de Estabilidade refere um crescimento anual de 2,3% para 2018 e 2019. Já o Governo estima que a economia portuguesa cresça 2,3% em 2018.