CNT/MDA: Lula segue liderando intenções de voto com 32,4%; Bolsonaro tem 16,7%

Segunda-feira, 14 Mai, 2018

Em intenção de voto espontânea para presidente, se as eleições ocorressem naquele momento, Lula ficaria com 18,6%, contra 12,4% do deputado Jair Bolsonaro. O número de brancos/nulos e indecisos superou 50%.

No primeiro levantamento divulgado após a prisão de Lula, o petista lidera com 32,4%, seguido de Bolsonaro, com 16,7%. Bolsonaro caiu de 0,1 ponto percentual e Marina Silva, 0,2 ponto percentual. Condenado e preso na Operação Lava Jato, Lula lidera os cenários nos quais participa do levantamento.

A pesquisa também simulou 16 cenários distintos para um eventual segundo turno.

A pesquisa CNT/MDA também questionou a opinião dos entrevistados em relação à confiança na Justiça brasileira. A maioria (52,8%) avaliou o Judiciário brasileiro como "pouco confiável" e 36,5% como "nada confiável".

A percentagem de que não sabia ou não respondeu era de 6,1% em março e ficou em 7,8%, na pesquisa desta segunda-feira.

De acordo com os dados da CNT, 49,9% dos brasileiros não acredita que Lula vá disputar as eleições de outubro.

Lula está preso há mais de um mês em Curitiba cumprindo pena de 12 anos e 1 mês por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do tríplex no Guarujá, litoral de São Paulo. Comparando com o ex-presidente Lula (PT), o petista aparece como a única opção de 25,6% dos entrevistados e em quem 46,8% deles não votariam.

O resultado não traz mudanças significativas em relação à última pesquisa, realizada em março, quando o governo do presidente Michel Temer teve avaliação negativa de 73,3% da população, ante positiva de 4,3%. A pesquisa ouviu 2.002 pessoas 25 unidades federativas de todas as regiões do País, e tem uma margem de erro de 2,2 pontos porcentuais. Joaquim Barbosa (PSB), que desistiu de concorrer, havia subido de 0,3% para 1%. A pesquisa também lembrou os nomes de Marina Silva (Rede), Ciro Gomes (PDT), Geraldo Alckmin (PSDB), Álvaro Dias (Podemos), Fernando Collor (PTC), Michel Temer (MDB), Guilherme Boulos (PSOL), Manuela D'Ávila (PC do B), João Amoêdo (Novo), Flávio Rocha (PRB), Henrique Meirelles (MDB), Rodrigo Maia (DEM), Paulo Rabelo de Castro (PSC).

Em cenário de primeiro turno sem Lula e com uma quantidade maior de candidatos, Bolsonaro ocupa o primeiro lugar com 18,3 por cento, à frente de Marina, com 11,2 por cento, e com Ciro em terceiro, com 9 por cento, numericamente à frente de Alckmin, com 5,3 por cento.

O levantamento também colocou Geraldo Alckmin confrontando, além de Lula e Bolsonaro, o qual perderia para ambos, outros três candidatos no segundo turno. A melhor pontuação do deputado foi de 20,7%, caso disputasse o Planalto com Marina (16,4%), Ciro (12%), Haddad (4 4%) e Meirelles (1,4%).